Thairine criou a Artmanha Reciclados e trabalha com o que ama

*Matéria divulgada pelo site http://www.meunegociobrilhante.com.br/inspire-se/a-sua-historia/thairine-moreno-artmanha-reciclados/ Meu nome é Thairine Moreno — também conhecida como Kuka — tenho 28 anos e moro em Santo André. Sempre fui muito ligada a assuntos de sustentabilidade e reaproveitamento de materiais. Quando entendi a importância de fazer a nossa parte por um mundo melhor, isso começou a fazer toda a diferença na minha vida. Desde reciclar o lixo, economizar a água, não jogar lixo nas ruas e assim por diante.  Quando era criança, costumava fazer em casa objetos para presentear meus parentes, utilizando papéis e jornais. Transformava coisas que estavam ali paradas e, a princípio, eram sem graça.
Thairine Moreno

Foto: Arquivo Pessoal

O tempo passou, comecei a trabalhar e me formei em gestão comercial. Eu acreditava que meu “sonho” era trabalhar em uma grande empresa e ganhar bem. Quando cheguei lá, descobri que estava completamente errada. Estava me tornando uma pessoa vazia, infeliz e trabalhava sem vontade alguma. Até aí, minha história é igual a de muita gente. Mas hoje ela faz parte das pessoas que levantam e fazem algo para mudar, ao invés de reclamar da vida. Inspirada por amigos e familiares  que já eram empreendedores, resolvi montar um negócio. Mas não bastava ser apenas um negócio. Tinha que ser algo que eu amasse fazer! Depois de muito pensar, pesquisar e planejar, comecei a fazer produtos com embalagem longa vida. No início, fazia bolsas de mão e brincos. Fazia e mostrava para quem eu eu conhecia, ouvindo atentamente as críticas. Quando os produtos começaram a ficar bonitos, as pessoas começaram a comprar. Certo dia, surgiu a oportunidade de participar de um bazar no prédio de uma amiga. Como o resultado foi legal, passei a ter evento praticamente todos os finais de semana. Ainda no emprego fixo, acordava às 5h da manhã para trabalhar em São Paulo e só voltava para casa às 20h. Mas chegava superanimada, pois era a hora em que ia me dedicar ao meu negócio e fazer produtos para vender no final de semana. Assim foi por um ano e meio. Enfim, chegou o dia em que consegui pedir as contas! Durante todo esse período, aproveitei para fazer o plano de negócio, montar a loja virtual e formalizar a Artmanha Reciclados. As coisas estavam indo muito bem e depois que saí do emprego ficaram ainda melhores! Era uma nova rotina, totalmente diferente daquela que sempre tinha vivido. O mais difícil foi me acostumar aos comentários maldosos, que um dia a gente percebe que sempre existirão: “Você não vai mais trabalhar?”; “Mas você ganha bem, por que largar tudo?” Hoje, a Artmanha está com três anos e meio de existência e, durante esse período, o negócio foi tomando outros rumos. Além dos produtos, todos sustentáveis e feitos à mão com muito carinho, nós fazemos brindes personalizados. Também entramos na área de educação, ministrando oficinas de artes com foco em sustentabilidade para diversas idades. Estimamos que até hoje a Artmanha já tenha reciclado mais de 8.000 embalagens longa vida! *Em depoimento a Camila Luz